Ferrugem BMX
     
Sessões
Vídeos que recebo por e-mail
Como fazer
Videos para Sua Vídeoteca
Campeonatos
Role
Histórico
Ver as mensagens anteriores
Outros sites
YouTube Ferrugem BMX
Dream BMX
Ferrugem BMX Daily Motion
BMX 20
DRAC
Tribos Radicais
Big House BMX
South BMX
Forum BMX
BMX 4U
Flog do Rui O. (Fotos de BMX)
BMX TOTAL
Victor Vieira
Kmkz BMX
Doctor Bike
BMX Underground
Pedal
ABBMX
Master Bikes
Flog Juca Favela
Ticano BMX
Havoc BMX
BMX Express
Paco Bikes
Dirt Loucos
Acerola FLOG BMX
Dark Side BMX

Votação
Dê uma nota para meu blog

 
Acesse o Histórico para ler as mensagens antigos
Enquanto a página não carrega escute uma das músicas

 

Coloque o Logo Ferrugem BMX no seu Site

 
 


Facebook

Amigos,
Curta a página 


https://www.facebook.com/Ferrugembmx

Abraço
Ferrugem



 Escrito por Ferrugem �s 19h16
[] [envie esta mensagem]




Como o tempo passa

Fala Galera, tem um pouco mais de 5 anos que eu não posto nada aqui.E aos poucos vou colocando o Blog na Ativa novamente.Minha vida mudou muito nestes últimos 5 anos, terminei a facu, descubrir que tenho gastrite nervosa, fiquei solteiro e agora uso aparelho.. hahahEstava olhando aqui as fotos que tirei nesse tempo e resolvi compartilhar com vocês as bikes que já usei até o momento. 1º JNA - 1996 a 2004

 Escrito por Ferrugem �s 21h16
[] [envie esta mensagem]




X Games Brasil 2008

Fantástico! assim que posso resumir.
Tive a oportunidade de ir nos 3 dias desse ótimo evento.
Com o unico ponto negativo, de não deixar o publico entrar com alimentos.




Segue um vídeo com as fotos que foram tiradas.

O 900, para os leitores antigos devem saber que a manobra favorita é o 900...
Sabendo que o Simon mandava o 900 e já tinha mandando no Sabádo.. no Domingo fui com uma faixa escrito 900 para ele não esquecer de mandar e eu perder talvez a única oportunidade de ver um 900 ao vivo... hehe


E quando foi a vez do Simon foi andar, protamente leventei a minha faixa e todos mandava eu abaixar.. - hehehe
"Abaixa 900", "ABaixa 900" - tentaram até rasgar!

Porém continuei lá.. com ela. até que o Simon realizou a esperada manobra; o 900!
Nessa hora a galera pirou todo mundo gritando e eu lá feito um bobo com a faixa pulando
Ele subiu no cooping e apontou pra faixa! isso foi uma piração! hahaha
Depois disso na última volta dele, ele foi até a galera pediu licença pra passar, então a galera logo segurou ele e começaram a levar ele.. haha
Nas palavras dele, ele se sentiu um "Rock Star"

Volta Tabron que garantiu o ouro



 Escrito por Ferrugem �s 20h55
[] [envie esta mensagem]




Dirt do Reimberg

É Nosso



 Escrito por Ferrugem �s 21h08
[] [envie esta mensagem]




Double Backflip

Double Backflip

Demoro mais chegou, esse vídeo foi enviado pelo Smith Joe, ele estava no campeonato de Itanhaem e gravou

 


 


Valeu Joe

Abraço



 Escrito por Ferrugem �s 20h49
[] [envie esta mensagem]




Agora é lei!

Agora podemos usar o trêm, metrô e onibus com nossa bicicleta!! hahah
Lembrando que a Bike deve está enrolada em um lençol ou em uma "mochila" para carregar a bike

Se liga na lei aprovada pelo Kassab..
Quando o segurança, não deixar você pegar o trem ou o metro para ir para Caracas ou para o Drac (Santa Cecilia) Doctor Bike (Santana) ou Pista da Imigrantes ou na Impact Bike (Jabaquara) é so falar pra ele (segurança) ler a lei 14.266..

LEI Nº 14.266, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2007

(Projeto de Lei nº 599/05, do Vereador Chico Macena - PT)

Dispõe sobre a criação do Sistema Cicloviário no Município de São Paulo e dá outras providências
GILBERTO KASSAB, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, faz saber que a Câmara Municipal, em sessão de 26 de dezembro de 2006, decretou e eu promulgo a seguinte lei:

Art. 1º Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de São Paulo, como incentivo ao uso de bicicletas para o transporte na cidade de São Paulo, contribuindo para o desenvolvimento da mobilidade sustentável.

Parágrafo único. O transporte por bicicletas deve ser incentivado em áreas apropriadas e abordado como modo de transporte para as atividades do cotidiano, devendo ser considerado modal efetivo na mobilidade da população.

Art. 2º O Sistema Cicloviário do Município de São Paulo será formado por:

I - rede viária para o transporte por bicicletas, formada por ciclovias, ciclofaixas, faixas compartilhadas e rotas operacionais de ciclismo;

II - locais específicos para estacionamento: bicicletários e paraciclos.

Art. 3º O Sistema Cicloviário do Município de São Paulo deverá:

I - articular o transporte por bicicleta com o Sistema Integrado de Transporte de Passageiros - SITP, viabilizando os deslocamentos com segurança, eficiência e conforto para o ciclista;

II - implementar infra-estrutura para o trânsito de bicicletas e introduzir critérios de planejamento para implantação de ciclovias ou ciclofaixas nos trechos de rodovias em zonas urbanizadas, nas vias públicas, nos terrenos marginais às linhas férreas, nas margens de cursos d’água, nos parques e em outros espaços naturais;

III - implantar trajetos cicloviários onde os desejos de viagem sejam expressivos para a demanda que se pretende atender;

IV - agregar aos terminais de transporte coletivo urbano infraestrutura apropriada para a guarda de bicicletas;

V - estabelecer negociações com o Estado de São Paulo com o objetivo de permitir o acesso e transporte, em vagão especial no metrô e em trens metropolitanos, de ciclistas com suas bicicletas;

VI - promover atividades educativas visando à formação de comportamento seguro e responsável no uso da bicicleta e sobretudo no uso do espaço compartilhado;

VII - promover o lazer ciclístico e a conscientização ecológica.

Art. 4º Caberá ao Executivo, por meio dos órgãos competentes, consolidar o programa de implantação do Sistema Cicloviário do Município de São Paulo, considerando as propostas contidas nos Planos Regionais Estratégicos.

Art. 5º A ciclovia será constituída de pista própria para a circulação de bicicletas, separada fisicamente do tráfego geral e atendendo o seguinte:

I - ser totalmente segregada da pista de rolamento do tráfego geral, calçada, acostamento, ilha ou canteiro central;

II - poderão ser implantadas na lateral da faixa de domínio das vias públicas, no canteiro central, em terrenos marginais às linhas férreas, nas margens de cursos d’água, nos parques e em outros locais de interesse;

III - ter traçado e dimensões adequados para segurança do tráfego de bicicletas e possuindo sinalização de trânsito específica.


 Escrito por Ferrugem �s 20h46
[] [envie esta mensagem]




Agora é lei!


Art. 6º A ciclofaixa consistirá numa faixa exclusiva destinada à circulação de bicicletas, delimitada por sinalização específica, utilizando parte da pista ou da calçada.

Parágrafo único. A ciclofaixa poderá ser adotada quando não houver disponibilidade de espaço físico ou de recursos financeiros para a construção de uma ciclovia, desde que as condições físico-operacionais do tráfego motorizado sejam compatíveis com a circulação de bicicletas.

Art. 7º A faixa compartilhada poderá utilizar parte da via pública, desde que devidamente sinalizada, permitindo a circulação compartilhada de bicicletas com o trânsito de veículos
motorizados ou pedestres, conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro.

§ 1º A faixa compartilhada deve ser utilizada somente em casos especiais para dar continuidade ao sistema cicloviário ou em parques, quando não for possível a construção de ciclovia ou ciclofaixa.

§ 2º A faixa compartilhada poderá ser instalada na calçada, desde que autorizado e devidamente sinalizado pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito nos casos em que não comprometer a mobilidade segura e confortável do pedestre.

Art. 8º Os terminais e estações de transferência do SITP, os edifícios públicos, as indústrias, escolas, centros de compras, condomínios, parques e outros locais de grande afluxo de pessoas deverão possuir locais para estacionamento de bicicletas, bicicletários e paraciclos como parte da infra-estrutura de apoio a esse modal de transporte.

§ 1º O bicicletário é o local destinado para estacionamento de longa duração de bicicletas e poderá ser público ou privado.

§ 2º O paraciclo é o local destinado ao estacionamento de bicicletas de curta e média duração em espaço público, equipado com dispositivos para acomodá-las.

Art. 9º A elaboração de projetos e construção de praças e parques, incluindo os parques lineares, com área superior a 4.000 m² (quatro mil metros quadrados), deve contemplar o tratamento cicloviário nos acessos e no entorno próximo, assim como paraciclos no seu interior.

Art. 10. O Executivo deverá estimular a implantação de locais reservados para bicicletários, em um raio de 100 (cem) metros dos terminais e estações de metrô, trens metropolitanos e corredores de ônibus metropolitanos, dando prioridade às estações
localizadas nos cruzamentos com vias estruturais.

Parágrafo único. A segurança do ciclista e do pedestre é condicionante na escolha do local e mesmo para a implantação de bicicletários.

Art. 11. As novas vias públicas, incluindo pontes, viadutos e túneis, devem prever espaços destinados ao acesso e circulação de bicicletas, em conformidade com os estudos de viabilidade.

Art. 12. O Executivo poderá implantar ou incentivar a implantação de ciclovias ou ciclofaixas nos terrenos marginais às linhas férreas em trechos urbanos, de interesse turístico, nos acessos às zonas industriais, comerciais e institucionais, quando houver demanda existente e viabilidade técnica.

Parágrafo único. Os projetos dos parques lineares previstos no Plano Diretor Estratégico e nos Planos Regionais Estratégicos deverão contemplar ciclovias internas e, quando possível, de acesso aos parques, em conformidade com estudos de viabilidade
aprovados.

Art. 13. A implantação e operação dos bicicletários, em imóveis públicos ou privados, deverá ter controle de acesso, a ser aprovado pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito.

Art. 14. Nas ciclovias, ciclofaixas e locais de trânsito compartilhado poderá ser permitido, de acordo com regulamentação pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito, além da circulação de bicicletas:

I - circular com veículos em atendimento a situações de emergência, conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro e respeitando-se a segurança dos usuários do sistema cicloviário;

II - utilizar patins, patinetes e skates, nas pistas onde sua presença não seja expressamente proibida;

III - circular com o uso de bicicletas, patinetes ou similares elétricos, desde que desempenhem velocidades compatíveis com a segurança do ciclista ou do pedestre onde exista trânsito partilhado.

Art. 15. O Executivo deve manter ações educativas permanentes com o objetivo de promover padrões de comportamento seguros e responsáveis dos ciclistas, assim como deverá promover campanhas educativas, tendo como público-alvo os pedestres e os condutores de veículos, motorizados ou não, visando divulgar o uso adequado de espaços compartilhados.

Art. 16. Os eventos ciclísticos, utilizando via pública, somente podem ser realizados em rotas, dias e horários autorizados pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito, a partir de solicitação expressa formulada pelos organizadores do evento.

Art. 17. As despesas decorrentes da execução desta lei correrão por conta de dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.

Art. 18. Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 6 de fevereiro de 2007, 454º da fundação de São Paulo.

GILBERTO KASSAB, PREFEITO
Publicada na Secretaria do Governo Municipal, em 6 de fevereiro”

Quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007

 Escrito por Ferrugem �s 20h46
[] [envie esta mensagem]




Dirt Jump na Globo



 Escrito por Ferrugem �s 15h59
[] [envie esta mensagem]